3.03.2010

A dama que voa para longe!

No peso e contrapeso
No tempo e contratempo
Vamos juntos girando...
Agora que sou a leve dama que baila,
Pesa em você toda a culpa do mundo

No peso e contrapeso
No tempo e contratempo
Vamos, equilibristas de nós mesmos!
Equilibramos o peso de dançar a dois novamente!

No peso e contrapeso da vida
No senso e contrasenso da dúvida
No tempo e contratempo da dança.
Pisou por ciúme nos pés da dama.

Os olhos do ciúme pousaram pesados.
E foi o tempo dela medrosa e dotada de uma sabedoria espontânea abrir as asas!

No peso e contratempo da posse
No tempo e contrapeso do desespero
Encolheu-se ele de tanto desejo, que só lhe restou contemplar o vôo da dama, tão leve, como nunca imaginara.

É teu desejo tardio e desajeitado, senhor, que me faz cada vez mais ser a dama que voa para longe...

Um comentário:

  1. Bia...como podes fazer poético um instante como esse? Adorei!!

    ResponderExcluir

Boca de Cena